arquivo

EUA

Essa é a justificativa da minha ausência: casei ♥. E nos últimos meses, só tive olhos e cabeça para o universo matrimonial e toda sua magia. Para dividir um pouco a alegria do “grande dia”, compartilho aqui o trabalho massa do fotógrafo norte-americano James Moes e um dos belíssimos casamentos que ele registrou.

JamesMoes-01JamesMoes-02 JamesMoes-03JamesMoes-04JamesMoes-05JamesMoes-06JamesMoes-07JamesMoes-08JamesMoes-09JamesMoes-10JamesMoes-11JamesMoes-1 JamesMoes-2JamesMoes-8JamesMoes-9JamesMoes-19 JamesMoes-7JamesMoes-12

Eu adoro fotos de backstage. É como conhecer um pouco da intimidade do artista ou enxergar a naturalidade e espontaneidade que nunca soube ao palco. Este ensaio abaixo é de 1958 e foi feito pelo grande fotógrafo norte-americano Gordon Parks (1912-2006) para a Life Magazine. Ele registrou as glamurosas bailarinas da casa noturna Latin Quarter em Nova York em seus camarins, se aprontando para o grande momento ou apenas matando o tempo. A elegância delas, pelo jeito, não se restringe apenas a hora do show. São verdadeiras divas até mesmo numa partida de xadrez.

BackStageAtTheLatinQuarter-GordonParks-4BackStageAtTheLatinQuarter-GordonParks-6

BackStageAtTheLatinQuarter-GordonParks-1 BackStageAtTheLatinQuarter-GordonParks-2 BackStageAtTheLatinQuarter-GordonParks-3 BackStageAtTheLatinQuarter-GordonParks-5 BackStageAtTheLatinQuarter-GordonParks-7 BackStageAtTheLatinQuarter-GordonParks-8 BackStageAtTheLatinQuarter-GordonParks-9 BackStageAtTheLatinQuarter-GordonParks-10 BackStageAtTheLatinQuarter-GordonParks-11 BackStageAtTheLatinQuarter-GordonParks-12 BackStageAtTheLatinQuarter-GordonParks-13BackStageAtTheLatinQuarter-GordonParks-15

O artista Emory Douglas trabalhou como ministro da cultura do Partido dos Panteras Negras (The Black Panther Party), organização socialista afro-americana que atuou nos Estados Unidos entre 1967  e 1988, defendendo os direitos dos negros. Com um traço massa, Douglas (na foto abaixo) desenvolveu posters de divulgação e ilustrações para o jornal mensal do grupo. O trabalho foi muito além da comunicação, pois as peças são fantásticas. Vale a pena dá uma olhada neste site, para compreender melhor o conceitos de seu trabalho. Massa.

EmoryDouglas1 EmoryDouglas3 EmoryDouglas4 EmoryDouglas5 EmoryDouglas6 EmoryDouglas7 EmoryDouglas8 EmoryDouglas9 EmoryDouglas11 EmoryDouglas12 EmoryDouglas13 EmoryDouglas14Emory

O cartunista norte-americano Cliff Roberts (1929-1999) ilustrou com muito bom gosto e bom humor The First Book of Jazz, livro infantil escrito por Langston Hughes e publicado em 1955. Os desenhos são massa! Além de ilustrar para publicações, Robert também trabalhou com animação. Seu portfólio inclui desenhos famosos como Sesame Street, Smurfs, Scooby-Doo e Pantera Cor-de-Rosa.


Usando apenas fitas adesivas em tons neon, o artista norte-americano Aakash Nihalani brinca com as estruturas da cidade construido formas geométricas e tridimensionais. Sua intenção é bem mais simples do que comunicar algum pensamento ou filosofia. Nihalani busca realçar os contornos e a geometria urbana (que muitas vezes ficam camuflados e invisíveis aos nossos olhos) e proporcionar às pessoas uma cidade diferente, mais divertida e interativa do que elas estão habituadas a ver em seu cotidiano. Trabalho genial.

A americana Vivian Maier não era uma fotógrafa profissional. Era apenas uma babá apaixonada pela arte da fotografia. Sua maior diversão era vagar pela cidade com sua câmera em mãos, registrando o cotidiano da vida urbana. A maioria de suas fotos foram tiradas ao longo da década de 50 e 60, em Nova York e Chicago, cidades onde viveu. As imagens são fantásticas e mostram um talento inquestionável. No entanto, Vivian nunca mostrou suas fotos ao público, e muitas, sequer revelou. O mundo só tomou conhecimento do seu incrível trabalho após sua morte, quando mais de 100 mil negativos foram encontrados entre seus pertences.

Dentre suas várias séries, eu me encantei especialmente pelos auto-retratos. Não fosse pelos cenários e figurinos de 60 anos atrás, eu diria que as fotos são de hoje. Vivian era moderna e muito criativa, e mostrou muito originalidade ao se auto fotografar.

O trabalho da artista norte-americana Julianna Swaney tem um clima de contos de fadas e transpira delicadeza e magia. Julianna é filha de um casal de birdwatchers (pessoas que observam e estudam pássaros) e, durante sua infância, viajou com sua família em busca de espécies exóticas, o que cultivou seu amor pelos animais e pela natureza. As aquarelas de Julianna estão impregnadas deste amor. Em suas ilustrações, crianças convivem com lobos, raposas, pássaros, plantas e espíritos da natureza. Lindo, mágico e massa.