arquivo

arte

Desde 2008, o artista sul-coreano Daehyun Kim se dedica a um único projeto: Moonassi. Usando apenas tinta preta em papel branco, Kim cria situações de interação humana intrigantes, melancólicas e belas. Seu traço minimalista só enfatiza a riqueza e profundidade de seus desenhos. Massa!

moonassi15moonassi10moonassi19 moonassi17moonassi20moonassi7moonassi16moonassi3moonassi4moonassi14 moonassi13 moonassi12 moonassi11 moonassi8 moonassi6 moonassi5 moonassi2moonassi9 

Usando apenas fitas adesivas em tons neon, o artista norte-americano Aakash Nihalani brinca com as estruturas da cidade construido formas geométricas e tridimensionais. Sua intenção é bem mais simples do que comunicar algum pensamento ou filosofia. Nihalani busca realçar os contornos e a geometria urbana (que muitas vezes ficam camuflados e invisíveis aos nossos olhos) e proporcionar às pessoas uma cidade diferente, mais divertida e interativa do que elas estão habituadas a ver em seu cotidiano. Trabalho genial.

As pinturas da americana Jennifer Davis chamam atenção pelo contraste. São delicadas e femininas e, ao mesmo tempo, bizarras e perturbadoras. O caráter contrastante também está nas (muito bem selecionadas) paletas de cores, que sempre misturam tons pastéis e cores vibrantes gerando um resultado massa. A seleção de cores é um dos pontos mais importantes do processo criativo de Davis. Na maioria das vezes, ela defini as cores antes mesmo de pensar no tema que vai pintar.

Fiquei surpresa ao descobri que Olaf Hajek é alemão. Seu trabalho me lembra tanto Frida Kahlo (e acredito que seja uma de suas inspirações), que tive a certeza de que ele era de algum lugar da América Latina. Hajek cria mundos fantásticos e inspiradores com sua arte. Suas ilustrações são sempre cheias de histórias místicas, figuras folclóricas, cores, texturas e uma grande diversidades de animais e plantas. É lindo e mágico.

O coreógrafo americano Tony Orrico conseguiu unir sua paixão por dança e desenho num único processo. Em suas performances, que podem durar de 15 minutos a 7 horas, o artista utiliza o próprio corpo como ferramenta para criar verdadeira obras de arte. É impressionante a precisão com que Tony, segurando um lápis em cada mão, repete mecanicamente os movimentos sobre o papel garantindo uma simetria perfeita de seus desenhos. Vale a pena assistir aos vídeos abaixo.