arquivo

Arquivo mensal: novembro 2012

O ilustrador inglês Jamie Cullen tem a Pop Art e as construções impossíveis de M. C. Escher como suas grandes inspirações. Essa influências são facilmente visíveis em suas composições gráficas, sempre geométricas e com cores vibrantes. Adoro como Cullen sabe usar a simetria em seu trabalho, sem deixá-lo repetitivo.


A artista russa Yelena Bryksenkova ganhou meu coração e toda minha admiração com tanto bom gosto, delicadeza e talento. Suas ilustrações, geralmente feitas com caneta, aquarela e guache, mostram um universo encantador, cheio de detalhes, feminilidade e ornamentos. Acho fantástico como ela sempre usa estampas para compor seus cenários, sempre muito bem decorados por sinal.

Liam Stevens é um ilustrador inglês dono de um trabalho fantástico. Suas ferramentas de trabalho se resumem a uma lapiseira Pentel e um estilete, mas essa escassez de material não compromete nem um pouco a riqueza e a grandiosidade de suas criações. A arte de Stevens enche os olhos com tantos detalhes. Dentre os seus vários projetos, o que mais me encantou foi a animação em stop motion criada para ilustrar a música Waiting, do projeto musical My Robot Friend. Os belíssimos cenários foram todos construídos com lápis e recortes de papel e, o mais impressionante, desenvolvidos por Stevens em apenas 3 meses. Incrível.

A maioria dos trabalhos da ilustradora francesa Caroline Selmes são desenvolvidos para projetos editoriais e publicitários. Grandes marcas como Vodafone, Schweppes e Honda estão na sua lista de clientes. O interessante é que o traço de Caroline não é nem um pouco convencional e, mesmo assim, ela consegue ser comercial. Deve ser porque o trabalho dela é inquestionavelmente massa.

Usando apenas fitas adesivas em tons neon, o artista norte-americano Aakash Nihalani brinca com as estruturas da cidade construido formas geométricas e tridimensionais. Sua intenção é bem mais simples do que comunicar algum pensamento ou filosofia. Nihalani busca realçar os contornos e a geometria urbana (que muitas vezes ficam camuflados e invisíveis aos nossos olhos) e proporcionar às pessoas uma cidade diferente, mais divertida e interativa do que elas estão habituadas a ver em seu cotidiano. Trabalho genial.